Certificados são expedidos pelos Ceejas – Certificados de conclusão do Ensino Médio são expedidos com base nas notas do Enem.

0
53
Certificados de conclusão do Ensino Médio são expedidos com base nas notas do Enem.]

Estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2016 têm a oportunidade de obter o certificado de conclusão do Ensino Médio através da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e dos Institutos Federais de Rondônia (Ifros). Basta escolher no ato da inscrição do Enem qual será a instituição certificadora.

A gerente de Controle, Avaliação e Estatística da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Aparecida Meireles, informou que a secretaria emitirá os certificados através dos Centros Estaduais de Educação de Jovens e Adultos (Ceejas). No Estado há 29 instituições dessa categoria na área urbana e mais duas na área rural. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, em horário escolar.

Conforme portaria da Seduc de n°0217/2014, para estar apto a receber o certificado, o estudante precisa ter 18 anos completos até a data de realização da primeira prova do Enem; atingir o mínimo de 450 pontos em cada uma das áreas de conhecimento do exame; atingir o mínimo de 500 pontos na redação e preferencialmente, ter solicitado a certificação pelo Enem no ato da inscrição do exame.

Caso o estudante tenha esquecido de demostrar o interesse pelo certificado quando fez a inscrição, a Seduc também fará emissão do documento. ‘‘O estudante pode requerer o certificado mesmo que não tenham feito a opção no ato da inscrição. Inclusive aqueles que fizeram o exame em anos anteriores e ainda não concluíram o Ensino Médio também podem solicitar’’, disse a gerente.

Os estudantes também podem usar as notas do Enem para obter Declaração Parcial de Proficiência. Neste caso os critérios são: ter 18 anos completos até a data de realização da primeira prova do Enem e atingir o mínimo de 450 pontos na área de conhecimento a qual se deseja a declaração (ciências humanas e suas tecnologias/ciências da natureza e suas tecnologias/matemática e suas tecnologias).

Já para obter Declaração Parcial de Proficiência na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, o interessado deverá atingir o mínimo de 450 pontos na prova objetiva e o mínimo de 500 pontos na prova de redação.

A declaração era usada como uma ajuda para obter o certificado de conclusão do Ensino Médio em uma próxima edição do Enem, assim aqueles que conseguiam a declaração em uma determinada área, concentrava os estudos nas demais onde ainda não havia conseguido a pontuação ideal. Mas as regras do Enem mudaram para a edição de 2017.

Mobilização é para garantir prazo de entrega às escolas

Escolas têm até o dia 10 para receber livros

Até o próximo dia 10, mais de 400 escolas estaduais deverão se mobilizar em plantão para receber livros didáticos encaminhados a Rondônia pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Ao estabelecer esse prazo, a Gerência do Livro Didático da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) espera empenho das 18 Coordenadorias Regionais de Ensino (CREs) para diminuir as dificuldades encontradas pelos Correios.

“A mensagem do supervisor operacional dessa empresa em Ji-Paraná, Washington Cézar de Andrade, resume a situação: as entregas vêm sendo prejudicadas devido à falta de responsáveis para o recebimento das encomendas”, disse a gerente do Livro Didático Gerdalva Vasconcelos.

A região Norte do Brasil deverá receber 18,1 milhões de livros para este ano letivo. Esse volume contempla 3,5 milhões de alunos, em 19,4 mil escolas. A rede estadual em Rondônia tem capacidade para atender a mais de 200 mil alunos.

Funcionários dos Correios constataram esse problema tanto na capital quanto no interior do Estado. Em Cacoal, a 500 quilômetros de Porto Velho, por exemplo, o roteiro contempla três cidades e 40 pontos de entrega, e até terça-feira (31) apenas oito pontos haviam sido visitados, restando mais dez pontos na cidade e 17 em Pimenta Bueno.

Mesmo dispondo da relação de telefones dos responsáveis nas escolas, funcionários dos Correios se queixam do período chuvoso, do desconhecimento do sistema de segurança eletrônica pela administração escolar, e da falta de vigias.

Centralizando a correspondência dos Correios, a supervisão de Ji-Paraná é responsável pela atividade de 47 municípios.

Segundo Gerdalva Vasconcelos, as escolas têm autonomia total para promoverem o remanejamento de livros entre si, já que não existe mais reserva técnica no almoxarifado da Seduc em Porto Velho.

Por Assessoria

 

SEM COMENTÁRIO